Fórum Livre Leste no 4º Encontro Comunitário de Teatro Jovem

A Rede Livre Leste segue com o Projeto Rede Livre Leste, Nossa Teoria é a Prática! realizando mais dois fóruns que integram a programação do 4º Encontro Comunitário de Teatro Jovem, no Centro Cultural arte em Construção.

Os Fóruns pretendem reunir sobretudo jovens da periferia leste de São Paulo para dialogar sobre duas questões, ” o que te incomoda” e “o que te move”, primeiro e segundo fórum, respectivamente. Também estarão presentes os grupos convidados da Colombia – Grupo Luz de Luna – e de Salvador, BA – Rede Encena Salvador.

Além dos fóruns o 4º Encontro terá diversas outras atividades e espetáculos, com workshops, palestras, trocas artísticas, intervenção artística da Rede Livre Leste e apresentações de grupos como Cia Humbala e Cia Clariô.

Para mais detalhes da programação, clique aqui.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Comissão de Interferência

Diante da participação da Rede Livre Leste em debates, fóruns, ações de protesto e etc. temos pensado sobre algumas atitudes, classificações de atidtudes e organização. Na hora do fogo cruzado, da falta de escuta, de respeito, muitas vezes, e, sempre, na falta de poesia, a Comissão de Interferência entra em ação.

Poema Protesto
(de Carlos Assumpção – lido por Daniel Marques no Estudio 184, no Movimento trabalhadores da Cultura, e na reunião da RLL com a Comissão do VAI – São Paulo, SP)
” Irmão sou eu quem  grita
Eu tenho fortes razões
Irmão sou eu quem grita
Tenho mais necessidade
De gritar que de respirar
Mais irmão fica sabendo
Piedade não é o que eu quero
Piedade não me interessa
Os fracos pedem piedade
Eu quero coisa melhor
Eu não quero mais viver no porão da sociedade
Não quero ser marginal
Quero entrar em toda parte
Quero ser bem recebido
Basta de humilhações
Minh´alma está cansada
Eu quero o sol que é de todos
Quero a vida que é de todos
Ou alcanço tudo o que eu quero
Ou gritarei a noite inteira
Como gritam os vulcões
Como gritam os vendavais
Como grita o mar
E nem a morte terá força
Para me calar
Questão de Ordem
(por Daniel Marques – Trupe Arruacirco – interpretado no dia da avaliação da ação de Ocupação da Funarte, realizada pelo Movimento dos Trabalhadores da Cultura, no Teatro Coletivo Fábrica – São Paulo, SP)
” Questão de Ordem!
Questão de Ordem!
Ei, cala a boca, Questão de Ordem!
Em nome da Questão de Ordem e Progresso
Muitos índios foram assassinados,
Negros foram escravizados,
Muitos nordestinos explorados.
A questão não é de ordem é de Dialogo.
Ei meu irmão como posso fazer a revolução
Se na mesa não tem pão?
Como posso ir na manifestação, se a passagem
do busão custa 3 reais?
Como você está hoje?
Como está o seu bairro?
E a sua família?
Como estão as nossas relações?
A questão é mais de Dialogo do que de ordem!”
#Música – tirada de espetáculo do Grupo Buraco d’Oráculo#
Se o povo soubesse o valor que ele tem, não aceitava desaforo de ninguém.
(cantada em assembléia)
Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Rede Livre Leste e Humbalada

A Rede Livre Leste fará intervenção artística na MOSTRA BEIÇOLA, organizada pela Cia. Humbalada, em Interlagos, periferia sul de São Paulo. Será a segunda intervenção realizada pelo projeto Rede Livre Leste: Nossa Teoria é a Prática, contemplado pelo VAI – Programa de Valorização de Iniciativas Culturais.

Ajude-nos a divulgar!

 

 

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Rede: O que é isso?


Os Fóruns da Rede Livre Leste visam colocar em pauta assuntos relacionados ao Teatro em Comunidade, Organização de grupos em rede, fortalecimento das identidades dos coletivos através das trocas, discutir políticas públicas culturais, entre outros temas que girem em torno da cultura como direito primordial a todo e qualquer cidadão. Os fóruns circulam pela periferia de São Paulo, mapeando e discutindo uma linguagem que se difere da estética produzida no cenário central da cidade.

No dia 07 de agosto realizamos o Primeiro Fórum norteado pela seguinte questão: ´´Rede, o que é isso?´´ no espaço cultural CICAS – Zona Norte. Contamos com a presença de articuladores de outros coletivos para contribuir na discussão.

Na mesa, estavam presentes: Aysha Nascimento da Rede Brasileira de Teatro de Rua, Juninho do Espaço CICAS e Leandro Hoehne da Rede Livre Leste.

Exibimos também entrevistas em vídeo concedidas à Rede Livre Leste por representantes de outros dois importantes Movimentos: Jorge Blandon (Colômbia) da Corporación Cultural Nuestra Gente/Rede Latino – Americana de Teatro em comunidade e o Movimento Escambo do Rio Grande do Norte representado por Júnio Santos e Ray Lima.

A discussão era alimentada não só pela comunidade local e artistas convidados, mas também pelo público que acompanhava o debate online via Livestream (http://www.livestream.com/rede).

Dentre estes grupos como Teatro Silva e Movimento dos Guaianás.

A roda de conversa começou com uma apresentação do Histórico de cada Movimento, características de sua formação, sua identidade, público alvo, as necessidades de se criar um coletivo de coletivos para alcançar uma maior reverberação das reivindicações, interesses e objetivos dos grupos.

“Que meios de produção utilizamos para gerir e organizar o Movimento sem perder suas individualidades e especificidades num discurso único?

Outros pontos importantes foram discutidos como:

– As limitações e dificuldades de se organizar com um processo contínuo para que as iniciativas alcancem apoio e diálogo com o poder público;

-A importância de respaldar as ações dos coletivos dentro de suas respectivas comunidades, onde o artista se reconhece como integrante do espaço onde propõe suas ações.

– Reconhecer e ampliar o fazer artístico e político numa mesma esfera de atuação em nossas ações.

O Fórum proporcionou não só uma troca imediata sobre a questão´´Rede: o que é isso?´´, mas também uma articulação que poderá se estender a longo prazo com diversos grupos, de fortalecimento e apoio, onde ações futuras se tornem uma continuidade da luta e processo de cada coletivo para abertura de um cenário cultural mais amplo e de políticas que respaldem uma arte pública.

E para saber mais:

https://redelivreleste.wordpress.com/2011/05/31/blog-da-rede-livre-leste/

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Rede Livre Leste no Quilombaque: Somando Forças


Eis que no dia 30 de julho, a Rede Livre Leste realiza a primeira intervenção
artística do projeto Rede Livre Leste: nossa teoria é a prática, contemplado pelo
programa VAI (Valorização de Iniciativas Culturais do Município de São Paulo).

Neste dia, utilizando-se da Arte como agente transformador e político, a RLL,
somou forças à Comunidade Cultural Quilombaque na Zona Norte de São Paulo.

O Quilombaque é um espaço cultural que corre o risco de ser desapropriado
em virtude da construção de um parque linear na região de Perus, que passará
onde o mesmo tem a sua Sede. Para chamar a atenção da população para esse
fato, iniciamos a ação com um cortejo, com muita música, dança e maracatu.
Colorimos o dia que estava um pouco chuvoso.

Aos poucos, por onde passávamos, as pessoas iam nos seguindo. Uns
olhavam das casas, outros saiam às vielas. Olhos e ouvidos atentos saiam dos
bares para ver e ouvir o batuque. As crianças corriam para nos acompanhar.

No balanço da Ciranda se fez a união entre artistas, crianças, bêbados, cachorros…

O POVO estava presente mesmo em baixo de chuva. E não arredou o pé!
Logo após, apresentamos uma intervenção teatral, onde contamos a história do “Zé
da Leste” e, é claro, de tantos outros Zés e Marias, trabalhadores e donas de casa
que constroem a cada dia, com muito suor, a riqueza de nosso país.
Para finalizar, fizemos a leitura do Manifesto Livre Leste Policêntrico, documento
escrito pelos grupos integrantes da Rede Livre Leste, que traz reivindicações que
dizem respeito ao teatro jovem, o teatro feito em comunidade, a arte que é feita
pelo povo e para o povo.

No término das ações fomos embora um pouco cansados pelo dia que foi
puxado, porém compensados por termos feito novos parceiros, conhecido outra
realidade, e ter somado em outras lutas.

A Rede ainda percorrerá outras regiões de São Paulo.

Como diz uma música:
“Quer ir mais eu?

– Vâmo!

Quer ir mais eu?

– Vambora!”

 

Do alto das lajes e pelas vielas estreitas

A criança puxa o pai, o cachorro puxa o bêbado

Pela escada apoiada na laje desce o pedreiro

Muitas bicicletas na garoa.

E o colorido Leste que descobrimos ser o mesmo colorido Noroeste

E todos são povo e todos são artistas.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Participe!

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Do sonho às ruas

                                                             Sobre o processo artístico da Rede Livre Leste

Caminhando pelo espaço.

Emitindo sons,

Construindo imagens,

Descobrindo faces…

Em maio, intensificou-se o processo de criação artística entre os coletivos que compõem a Rede Livre Leste.

As  “trocas artísticas” como temos denominado, objetivam além do intercâmbio entre as diversas práticas ali presentes, a construção de uma intervenção da rede, que circulará por diferentes pontos da Cidade de São Paulo, juntamente com a leitura do Manifesto policêntrico, ações estas, que integram o projeto “Nossa Teoria é a Prática”.

E como a prática é que alimenta o que pensamos, dizemos e FAZEMOS…Lá vamos nós!

Dois encontros mensais da rede, tem sido dedicados às trocas artísticas. Sempre três representantes de coletivos diferentes se encarregam de elaborar as propostas cênicas.

Como eixo destas propostas está o “Zé da Leste”!

Ele, personagem que nasceu de um poema escrito por integrantes da rede, ganha agora corpo,voz e movimento através destes jovens artistas que encontram nele uma síntese do artista periférico.

Imagens cotidianas:  rua, ônibus lotado, empurra-empurra, trabalho, cansaço…

Sabemos que o “Zé” carrega nele também sonhos, histórias, anseios…de transformação

E é pelos Zés que somos, e pelos tantos outros permeiam nosso dia-a-dia, que damos vida ao “Nossa teoria é a prática”, projeto contemplado pelo VAI, onde a Rede Livre Leste se propõe através da realização de fóruns, intervenções artísticas e leituras do manifesto policêntrico, promover uma reflexão e propor melhorias nas atuais políticas culturais.

E fique atento, pois no dia 30 de julho acontece a primeira intervenção na Comunidade Cultural QUILOMBAQUE (Travessa Cambaratiba, 05, Beco da Cultura, próximo a estação de trem de Perus ( Linha 7 – Rubi) às 15h.

E assim vamos, dia após dia inventando sobre o concreto, um caminho cheio de cores, onde a arte é quem guia nossos passos.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário